Seguidores

OS MORTOS VIVEM

A comemoração dos mortos, hoje denominada Dia de Finados, tem origem na antiga Gália, no território europeu. É comum no dia de hoje a intensa visitação aos túmulos. E se observam cenas interessantes. Existem os que se sentam sobre os túmulos dos seus amados, e ali passam o dia. Para lhes fazer companhia. Como se, em verdade, eles ali estivessem encerrados. Outros lhes levam comidas e bebidas. Para que se alimentem. Como se o Espírito disso necessitasse. Outros ainda gastam verdadeiras fortunas em flores raras e ornamentações vistosas. Decoram o túmulo como se devesse ser a morada do seu afeto. Tais procedimentos podem condicionar o Espírito, se não for de categoria lúcida, consciente, mantendo-o ligado aos seus despojos, ao seu túmulo. Como cristãos, aprendemos com Jesus que a morte não existe. Assim, nossos mortos não estão mortos, nem dormem. Cumprem tarefas e distendem mãos auxiliadoras aos que permanecem no casulo carnal. Prosseguem no seu auto-aprimoramento, construindo e reformulando o mundo íntimo, na disciplina das emoções. E continuam a nos amar. A mudança de estado vibratório não os furta aos sentimentos doces, cultivados na etapa terrena. São pais e mães queridas, arrebatados pelo inesperado da desencarnação. Filhos, irmãos, esposos – seres amados. O vazio da saudade alugou as dependências de nosso coração e a angústia transferiu residência para as vizinhanças de nossa alma. É hora de nos curvarmos à majestade da Lei Divina e orarmos. A prece é perfume de flor que se eleva e funde abraços e beijos, a saudade e o amor. Para os nossos afetos que partiram para o Mundo Espiritual, a melhor conduta é a lembrança das suas virtudes, dos seus atos bons, dos momentos de alegria juntos vividos. A prece que lhes refrigera a alma e lhes fala dos nossos sentimentos. Não há necessidade de se ter dinheiro para honrar com fervor cristão os nossos mortos. Nem absoluta necessidade de nossas presenças ao lado das suas tumbas. Eles não estão lá. Espíritos libertos vivem no Mundo Espiritual tanto quanto estão ao nosso lado, muitas vezes, nos dizendo da sua igual saudade e de seu amor. * * * Se desejas honrar teus mortos, transforma em pães e peças de vestuário para crianças e gestantes pobres as quantias amoedadas que gastarias na ornamentação dos túmulos e em flores exuberantes. Oferta-as em nome e por teus amados. Redação do Momento Espírita. In http://www.momento.com.br/exibe_texto.php?id=1661

DEPOIS DA MORTE

É bastante comum se ouvir comentários de que quem morre não volta. Em torno desta assertiva, muitos ousam afirmar que, portanto, ninguém tem certeza se há mesmo algo para além deste mundo. Estão equivocados, contudo, os que assim pensam e se expressam. Os Espíritos retornam, sim, depois da morte física, para atestarem o seu amor aos que deixaram na Terra. Ou para dizerem da sua dor, do seu arrependimento por algumas atitudes tomadas, enquanto estavam por aqui. Você pode pensar que tudo isso é somente uma questão de crença. Mas, não é verdade. Se você é cristão, deve recordar que o nosso Mestre e Senhor deu a maior prova de que se pode retornar após a morte. Enquanto entre os homens, ele, certo dia, subiu ao Monte Tabor e ali, ante os apóstolos Pedro, Tiago e João, conversou com os Espíritos materializados de Moisés e Elias.. Ora, Elias era um profeta que morrera há muitos séculos. Moisés, da mesma forma. Portanto, eram Espíritos que ali se manifestaram, conversando com Jesus. Depois da morte na cruz, Jesus se apresenta para Maria Madalena, no Jardim das Oliveiras. Ela o reconhece como sendo o seu mestre. E, sai, feliz, para a cidade, a fim de contar a novidade para os amigos do colégio apostólico. No caminho de Emaús, dois discípulos encontram um estranho que segue com eles. Conversam a respeito dos últimos acontecimentos de Jerusalém. A prisão do mestre, o julgamento arbitrário na calada da noite, o suplício, a morte na cruz. O estranho lhes fala e os elucida a respeito de coisas que não haviam entendido. Quando chegam ao seu destino, convidam-no a ficar com eles. Afinal, desce a noite. Durante a refeição, ao partir o pão, eles se dão conta que aquele é o mestre que voltara do vale da morte. No cenáculo, Jesus aparece aos apóstolos reunidos. Identifica-se: Sou eu, não temais! Fica com eles. Conforta-lhes os corações. Aparece e desaparece, muitas vezes, em lugares totalmente fechados. Em outro momento, os aguarda na praia. Orienta-os no rumo da divulgação da Sua doutrina. Depois de quarenta dias, aos olhos de uma quase multidão de 500 pessoas, ele desaparece. Mais tarde, apareceria presente outra vez, no caminho de Damasco, para o jovem de Tarso. Não somente aparece. Mas indaga e orienta a Saulo acerca do que deve fazer. E, ainda, apareceria ao velho apóstolo Pedro, na Via Ápia, na manhã de luz, a caminho de Roma. Aonde vais, Senhor? Indaga o velho apóstolo. Eu vou para Roma, Pedro, para tornar a ser crucificado. Vou para ficar com os meus, desde que tu os abandonas. E Pedro, envergonhado, volta para o cárcere, entregando-se voluntariamente, a fim de morrer, pouco tempo depois com heroísmo. Ora, se nosso modelo e guia tantos exemplos deu de que o Espírito vive e retorna após a morte física, que desejamos mais para crer? * * * A morte não é o fim. É a continuidade da vida em outra dimensão. Você pode não crer e achar que está certo. Ou você pode pensar a respeito e concluir que racionalmente assim deve ser. Somente não negue aos amores que partiram a sua certeza de que eles continuam a amá-lo, além das fronteiras da vida física. Pense nisso! Redação do Momento Espírita. Em 30.06.2008. www.momento.com.br

60 MINUTOS SEPARAM BRASIL DE AVANÇO NA EDUCAÇÃO....

Economista afirma que uma hora a mais de aula de ciências faria país melhorar em ranking internacional de aprendizado Gazeta do Povo 27/10/2009 | 00:01 | Ari Silveira, enviado especial Rio de Janeiro - Uma hora a mais de ciências por dia faria o Brasil subir oito posições no ranking do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa), da Organização de Cooperação para o Desen¬volvimento Econômico (OCDE), que avalia o desempenho de estudantes de 15 anos de 57 países. A avaliação é do economista e professor Victor Lavy, que analisou os dados do Pisa e apresentou as conclusões de seu estudo ontem, durante o Seminário Itaú Inter¬nacional de Avaliação Econômica de Projetos Sociais, no centro de convenções da Bolsa do Rio. No estudo, Lavy, que é PhD em economia pela Universidade de Chicago e professor da Univer¬sidade Hebraica de Jerusalém, compara os resultados do conjunto dos países que integram a OCDE com dois grupos específicos: o dos países em desenvolvimento e o do Leste europeu. Na média da OCDE, uma hora semanal a mais da disciplina de ciências resultaria no acréscimo de 15 pontos no ran¬king. Entre os países em desenvolvimento, o adicional cai para 7,5 pontos, o que seria suficiente para o Brasil ultrapassar a Argentina e a Indonésia. O ranking da Pisa se baseia no rendimento em três disciplinas: ciências, matemática e leitura. Pelos dados mais recentes da pesquisa, de 2006, o Brasil ocupa a 52.ª posição, com 390 pontos. Na carga horária, temos 2 horas semanais de ciências, 2,7 de matemática e 2,6 de leitura (língua portuguesa). Os países-membros da OCDE têm, em média, 3,78 horas semanais de ciências, contra 3,05 no Leste europeu e 3,23 nos países emergentes. O economista adverte, contudo, que a carga horária não é o único fator que afeta o desempenho dos alunos. “A Finlândia tem a menor carga horária da Europa e lidera o ranking do Pisa”, lembra. Para Lavy, a qualidade do ensino é fundamental. Para isso, medidas de incentivo aos professores são fundamentais. “Os professores não recebem uma remuneração que reflita a importância do seu trabalho”, afirma. Ele cita como exemplo bem-sucedido de política de valorização dos professores a reforma educacional promovida pelo governo socialista da Suécia em 1991. “A reforma descentralizou a educação, deixando toda a responsabilidade nas mãos dos governos municipais”, conta. “Passou a se exigir dos professores que tenham dois diplomas de curso superior, em áreas diferentes.” Os sindicatos de professores se opuseram à medida, que foi aprovada de madrugada pelo parlamento sueco. “As escolas ganharam autonomia e passaram a ser empregadoras de professores”, afirma o economista. “Um país que já tinha uma boa educação conseguiu avançar ainda mais.” O jornalista viajou ao Rio de Janeiro a convite da Fundação Itaú Social

CUIDADO COM AS BOLSAS...

Você já parou para pensar onde sua bolsa vai durante o dia? A mulher transporta bolsas em todos os lugares, desde sanitários públicos até o piso do carro. Costumam levar suas bolsas em banheiros públicos e, em seguida, as colocam diretamente sobre a mesa? Na mercearia, em carrinhos de compras. Acontece muito! As bolsas abrigam bactérias. Numa pesquisa feita no laboratório Nelson em Salt Lake (EEUU) a maioria das mulheres afirmaram que não param para pensar sobre o que está no fundo da bolsa, mas admitem que pode estar suja. Colocam em carrinhos de compras, chãos diversos e depois levam para a cozinha sobre mesas e balcões onde os alimentos são preparados.... Muitas vezes as bolsas estacionam no colo sobre o vestido ou sobre o joelho. Acontece que as bolsas são tão surpreendentemente sujas, que até o microbiologista que as testou ficou chocado. O microbiologista Amy Karen de Nelson Labs diz que quase todas as bolsas testadas além de apresentarem muitas bactérias são tipos de bactérias nocivas. Pseudomonas podem provocar infecções oculares Staphylococcus aurous pode causar graves infecções cutâneas e salmonelas e e-coli encontrados nas bolsas pode tornar as pessoas muito doentes. Em uma amostragem, quatro das cinco bolsas testadas foi positivo para as salmonelas, e esse resultado não é o pior. 'Existe contaminação fecal na mão' diz Amy. Bolsas de couro ou vinil tendem a ser mais limpas do que bolsas de pano, e o estilo de vida parece desempenhar um papel preponderante. As pessoas com filhos tendem a ter bolsas mais sujas do que aqueles sem filhos, com alguma exceção. Diz Amy que a bolsa de uma única mulher que freqüentava boates tinha uma das piores de todas as contaminações. "Alguns tipos de fezes, ou possivelmente vômito. Então a moral dessa história é que sua bolsa não vai te matar, mas tem o potencial de torná-la muito doente se a mantiver em lugares onde você come. Use os ganchos para pendurar a sua bolsa em casa e nos banheiros, e não colocá-lo em sua mesa, mesa de um restaurante, ou nos balcões da sua cozinha. Especialistas dizem que você deve comparar sua bolsa a um par de sapatos. "Se você pensar em colocar um par de sapatos em seu balcão de cozinha, essa é a mesma coisa que você está fazendo quando coloca a sua bolsa sobre os balcões. " Por onde leva sua bolsa algumas pessoas próximas podem espirrar, tossir, e o chão pode ter sujeiras de excrementos, urina, larvas diversas. Você realmente deseja levar tudo isso para casa? Onde você guarda sua bolsa? Os microbiologistas do laboratório também disseram que uma limpeza no fundo das bolsas irá ajudar. Então... sempre pense com cuidado onde vai colocar sua bolsa!

CASTRAÇÃO PARA PEDÓFILOS...

Castração para pedófilos é aprovada na Polônia O Eixo da Castração, óleo de Erika Keck A Polônia aprovou no dia 25 deste mês uma nova lei, que permite a castração química de pedófilos em alguns casos. A decisão do governo de direita levantou críticas por parte de grupos de direitos humanos no país. A Polônia aprovou no dia 25 deste mês uma nova lei, que permite a castração química de pedófilos em alguns casos. A decisão do governo de direita levantou críticas por parte de grupos de direitos humanos no país. A lei estabelece que pedófilos condenados pelo estupro de crianças menores de 15 anos ou de algum parente terão que passar pela terapia química ao sair da prisão. Em declaração, o governo da Polônia afirmou que a decisão pretende melhorar a saúde mental do condenado e diminuir a sua libido, e assim “diminuir o risco de outro crime ser cometido pela mesma pessoa”. O primeiro-ministro da Polônia, Donald Tusk, afirmou em 2008 que queria que a castração química fosse obrigatória para pedófilos, e também disse esses criminosos não devem ser considerados humanos, e por isso, “os direitos humanos não deveriam interferir nestes casos”. A afirmação enfureceu grupos de direitos humanos, mas Tusk nunca se retratou pela afirmação. Piotr Kladoczny, da Fundação de Direitos Humanos de Helsinki, afirma que tornar a castração química um tratamento obrigatório levanta dúvidas quanto à necessidade dela em todos os casos. “Se a pessoa é sã, podemos puni-la. Se ela é doente mental, tentamos curá-la, é assim que a lei polonesa funciona”, afirma Kladoczny. “Esta nova lei introduz as duas abordagens para todas as pessoas”, completa. O projeto de lei ainda prevê maior tempo de prisão para condenados por estupro e incesto e ainda precisa de aprovação do parlamento Polonês, mas não deve encontrar resistência. [Reuters, Foto]

AMIGO JUDAS

Amigo Judas Sáb, 24/10/09 DO BLOG DE GUILHERME FIÚZA Lula não fez por mal. Ele é amigo de todo mundo. Já deu tapinha nas costas de Marmoud Ahmadinejad. E Judas nunca disparou um míssil nuclear clandestino. Não pode ser tão mau assim. Um dia, Lula acordou invocado e ligou pro Bush. Questões de Estado se resolvem assim, com um telefonema e três piadas. Por isso o general Muammar Kadafi também é amigo do presidente brasileiro. E os terroristas das Farc ganharam acesso direto ao Palácio do Planalto. Não pensem que se trata de uma grande conspiração de forças obscuras. Nada disso. Tudo é festa na DisneyLula. Ele é o filho do Brasil. É o homem que sobreviveu ao companheiro Delúbio, ao companheiro Valério, ao companheiro Silvinho, ao companheiro Dirceu, aos companheiros Bargas, Lorenzetti, Valdebran e Gedimar. Quem Judas pensa que é? Lula, o filho do Brasil, erradicou o mal. Sarney, Calheiros, Collor e companhia circulam alegres na sua aba, beneficiados pela imunidade moral do presidente. Estar com Lula é estar com Deus. Se bem que este último já já sai de moda. Historiadores e teólogos se debruçam neste exato momento sobre os alfarrábios para ver se Judas alguma vez travou a restituição do imposto de renda, para gastar em campanha eleitoral fora de hora. Os estudiosos não querem retocar a biografia do traidor de Jesus. Só querem verificar se na Roma antiga uma trapaça dessas também ficava por isso mesmo. O Brasil sairá da era Lula um pouco mais bagunçado. Um pouco mais unido também. Talvez nenhum outro líder nacional tenha sido tão representativo, e isso é um fato positivo. Também é fato que se trata de um presidente desestimulador de crises, com seu jeito de governar como se estivesse tomando uma cerveja depois da pelada. Se vier por aí a filha do filho do Brasil, talvez os brasileiros tenham saudade da camaradagem entre Lula e Judas. A mulher-dossiê, alma gêmea do Iscariotes, não dá samba, nem filme-exaltação. No máximo, um roteiro de suspense.

REFEITO DE CIRURGIA PAULO JOSÉ VOLTA AOS PALCOS

Refeito de cirurgia, Paulo José diz que ganhou segurança e volta aos palcos 21.10.09 - Um marca-passo implantado no cérebro reinventou a vida do ator Paulo José. “Eu sou biônico”, brinca o artista de 72 anos, recuperado de uma cirurgia para atenuar os efeitos do mal de Parkinson — que causa sintomas como tremores —, diagnosticados há 16 anos. A bem-humorada declaração sugere ainda seu caráter indestrutível e obstinado, definições bem mais apropriadas ao veterano ator, diretor e pensador, que sofre de um ‘mal’ progressivo e irreversível: quer viver e trabalhar intensamente, sem temer as más ondas que possam aparecer em seu percurso. Longe dos palcos há nove anos, Paulo José retorna sexta-feira em ‘Um Navio no Espaço ou Ana Cristina Cesar’, que inaugura o Teatro Oi Futuro, em Ipanema. Na peça em homenagem à poeta morta na década de 80, o ator divide a cena com Ana Kutner — uma de suas três filhas do casamento com Dina Sfat —, a quem também dirigiu. “A vida é feita de acasos. Quem planeja já sabe que vai dar errado. A ideia de fazer o espetáculo está rolando há tempos”, diz Paulo, que atribui à última cirurgia a segurança para voltar às temporadas teatrais. “A operação me fez muito bem e me senti apto a voltar, pois agora controlo melhor os movimentos”, explica. No tempo de cortinas fechadas, Paulo esteve (muito) envolvido com cinema, TV e projetos da cena cultural, e não perdeu a leveza. “É meu ‘Parkinson de Diversões’. Eu me dou bem com a doença. Quando as peças estão saindo da garantia, com a idade, vão aparecendo os problemas. Tem gente que tem gota, o fígado está um patê... A doença é degenerativa, mas o envelhecimento o é”, resume, sabiamente. PAULO QUASE SE AFOGOU A filha companheira de cena é também parceira de vida — “Temos ligação forte demais”, diz Ana — e dá sermão quando necessário. Em fevereiro, quando o ator quase se afogou nos mares da Bahia, em intervalo das filmagens de ‘Quincas Berro D’água’ (Sérgio Machado), Ana assumiu o papel de mãe autoritária. “Soube pelo ‘Jornal Nacional’ e liguei desesperada. Ele me disse: ‘Mas não foi nada...”. E brincou: ‘É doce morrer no mar...’”, conta ela, interrompida pelo pai: “De fato não aconteceu nada, eu nem engoli água, mas tinha um cidadão filmando e virou uma coisa de maluco”, explica. A preocupação de Ana se estende para o excesso de trabalho de Paulo José, recomendação que o ator pretende — “Vamos ver até quando” — acatar: “Tenho que recarregar meu chip, e minha maneira é tendo muita coisa para fazer”, diz ele, que emendará a peça com o próximo filme de Selton Mello. ATOR FARÁ MAIS UMA CIRURGIA Ativo, Paulo José luta há 16 anos contra o mal de Parkinson e, no final do ano passado, fez a primeira etapa de uma cirurgia de estímulo cerebral profundo. De acordo com o chefe da neurocirurgia do Hospital Geral de Ipanema, Salim Michel, esse é o procedimento mais promissor dentro das condutas de hoje. “É colocado um marca-passo no cérebro que diminui principalmente o tremor e a agitação. A bateria precisa ser trocada com frequência”, explica o médico. Paulo José ainda vai operar o outro lado do cérebro. “Vou fazer o segundo ato, pois a melhor cirurgia é a bilateral”, diz o ator. Fonte: O Dia. Em verdade se implantam eletrodos no cérebro e marca-passo no peito. E não troca bateria, troca todo o estimulador.

AS CRIANÇAS,O BALÃO E A VERDADE

BLOG MULHER 7X7 Seg, 19/10/09 Por Isabel Clemente | Vocês devem ter visto o caso da família americana que fez o mundo acompanhar o resgate de um balão desgovernado onde, supostamente, o filho caçula estaria preso. Sabe-se agora que tudo não passou de uma armação dos pais – chegados num reality show - para chamar a atenção. Não havia ninguém dentro do balão. O menino esteve o tempo todo escondido em casa a pedido dos pais. A fraude veio à tona durante uma entrevista ao vivo para uma rede de televisão, graças à espontaneidade do menino de seis anos, pivô da história. Quando o repórter perguntou a ele por que não havia respondido ao chamado dos pais, o garoto disse, do alto de sua sinceridade, que eles tinham dito que tudo “fazia parte de um show”. Não tendo mais nada a dizer, a família se retirou de cena e agora enfrenta uma acusação criminal por ter enganado as autoridades. Esse caso permitiria várias discussões interessantes, mas fico com a cena “do menino falando a verdade e deixando todo mundo com cara de paisagem”. Descontando o absurdo daquela história de usar uma criança para montar uma farsa, quem já não passou por algum constrangimento diante da sinceridade dos pirralhos? Minha filha mais velha, que tem 3 anos, perguntou certa vez ao pai, na cara da atendente da sorveteria, se ela era menino ou menina. A moça tinha um buço bastante avantajado e, para uma criança pequena, buço é bigode, acessório masculino. Meu marido não sabia onde se enfiar. Abro parênteses aqui para contar que nossa menina fez a mesma pergunta sobre Michael Jackson quando eu mostrei o clip de “Black and White” para ela. Uma amiga conta a história do garoto que, pela primeira vez na vida diante de um anão, mandou o seguinte comentário antes de deixar o elevador: “Bem feito, quem mandou não comer tudo?”. A porta do elevador fechou antes que a mãe pudesse se desculpar. Crianças são, involuntariamente, preconceituosas porque mostram surpresa com tudo o que é diferente, inclusive pessoas. Por mais que a gente tente antecipar situações novas, elas continuarão se surpreendendo com o inusitado e o comum, nos chamando a olhar a vida de outra maneira. Essa língua sem freios e essa curiosidade que nos faz buscar explicações para a origem de tudo é o que torna nosso convívio com crianças uma experiência única, lúdica, enriquecedora e, às vezes, claro, com alguma dose de constrangimento. E aí, qual foi a última vez que você se viu em maus lençóis por causa da sinceridade de uma criança?

PROCURA-SE!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

PROCURA –SE COM A MELHOR DAS INTENÇÕES... FAZÊ-LO TRABALHAR MENOS...E POETAR MAIS AH!!!!!!!!!!!!!E PARABENIZAR PELO DIA DE HOJE!!!!!!!!!!!

ROSILDA,( PERNAMBUCANA DE LAGOA DE ITAENGA) RECORDISTA MUNDIAL NO CAIXA DO MERCADO

Seg, 19/10/09 – Do blog Mulher 7X7 Por Ruth de Aquino Rosilda Ferreira, de Lagoa do Itaenga, Pernambuco, 22 anos, uma moça de cabelos compridos, doce e determinada, é, hoje, um pouco imortal – ela se tornou um nome no Guinness Book de recordes. (as fotos são reproduções de um vídeo que pode ser visto em www.g1.com.br) No supermercado onde trabalha, no Rio de Janeiro, ela passou a ser a operadora de caixa mais rápida do mundo, deixando para trás a recordista anterior, que trabalha na Grã-Bretanha. Rosilda registrou e empacotou 50 produtos em um minuto e 53 segundos. Foi no dia 6 de fevereiro deste ano. E a nova edição do livro, de 2010, registra seu feito. “Pela minha origem, foi um momento de glória”, disse à equipe do portal de notícias G1. Histórias assim são um exemplo para todos, especialmente para os jovens. Ela veio do interior do Nordeste para o Rio há dois anos e sete meses em busca do primeiro emprego e, hoje, o certificado do Guinness está sobre o caixa e emoldurado na parede de sua casa, no subúrbio de Ramos. “É para quando eu chegar eu ter orgulho de dizer: sou recordista mundial”. Ela mora com uma tia. Como transformar um trabalho que todos consideram entediante, repetitivo, chato mesmo, num motivo de comemoração e de estímulo ao amor próprio? Depende de cada um de nós. Quantas vezes a gente encontra um motorista de táxi bem humorado, e outro que resmunga? Um vendedor ambulante feliz da vida, e outro agressivo? E isso acontece com todas as profissões. Uma recepcionista simpática, outra que olha para quem chega como se fosse um estorvo. Um empresário arrogante, outro receptivo. Um chefe que escuta e outro que só manda. Rosilda encarou a metrópole, foi para um caixa de supermercado, e virou uma celebridade. Não pela carinha bonita mas pelo desejo de se destacar porque “não gosto muito de lerdeza não”. É claro que ela não vai ficar por aí. Quer fazer faculdade de Direito (ah Rosilda, seja uma advogada do bem, combativa), ter casa própria e “ir adiante em novos desafios”. O supermercado Prezunic, onde trabalha, deu festa para ela e passagens de avião para visitar os pais e 11 irmãos. Rosilda diz que a família confia nela não só como operadora de caixa, mas “em qualquer função que eu exercer”. Eu também confio muito nela e em todas as Rosildas espalhadas por esse nosso Brasilzão. E você?

MAIS DE UM MILHÃO DE PESSOAS VÃO AS RUAS EM MADRID CONTRA O ABORTO

AFPA Mais de um milhão de pessoas se manifestaram neste sábado em Madri contra o projeto de liberalização do aborto do governo socialista aos gritos de "aborto não! sim à vida", segundo diversas fontes. Os organizadores anunciaram várias estimativas de participação até ser fixada, definitivamente, em dois milhões de pessoas, enquanto que a região de Madri, governada pelos conservadores, divulgou a cifra de 1,2 milhão de participantes. A manifestação começou às 17h00 locais (12h00 de Brasília), tendo sido concluída no centro da capital espanhola duas horas depois. Jornalistas da AFP no local estimaram em várias centenas de milhares o número de pessoas que participaram da grande marcha. O projeto de lei socialista, que reforma uma lei de 1985, prevê, principalmente, liberdade total para abortar em um prazo de 14 semanas de gravidez. Atualmente, o aborto é autorizado apenas em caso de estupro (até 12 semanas de gravidez), má-formação do feto (22 semanas) ou "perigo para a saúde física ou mental da mãe" (sem limitação de tempo). Uma verdadeira maré humana invadiu o centro da capital espanhola: pessoas idosas, pais e mães levando crianças em carrinhos, grupos de adolescentes com camisetas pintadas e faixas vermelhas com os dizeres "Direito à vida", além de religiosas e sacerdotes. O projeto de lei aprovado no dia 26 de setembro pelo governo e que será debatido a partir de novembro no Parlamento, se inspira na legislação em vigor na maior parte dos países da União Europeia. Um grande cartaz abria a manifestação proclamando: "Cada vida conta". A ministra socialista da Igualdade, Bibiana Aido, uma das incentivadores do polêmio projeto de lei, exprimiu "respeito total" à passeata, afirmando, no entanto, que "ninguém tem o monopólio da moral". "Nenhuma mulher pode ser penalizada por tomar uma decisão tão difícil como é a de fazer um aborto", declarou. A manifestação foi convocada pelo Fórum da Família, uma plataforma de organizações católicas conservadoras, que já havia levado centenas de milhares de manifestantes às ruas em 2005 contra a lei autorizando o casamento homossexual. O projeto contém dispositivo muito polêmico, mesmo entre o eleitorado de esquerda: menores de 16 e 17 anos poderão abortar livremente sem o consentimento nem informação prévia dos pais. DO PORTAL R7 pal-dm/sd Copyright AFP - Todos os direitos de reprodução e representação reservados

A VIDA NÃO É MÃE

A vida não é mãe

Letícia Thompson

O amor da verdadeira mãe é puro e sagrado. É aquele que nasce muito, muito antes do filho vir e se prolonga até o dia da própria morte.

Ela espera, anseia, acolhe, alimenta, veste e abraça de todo o seu ser e de toda a sua alma, como não seria capaz de fazer para si mesma, pois o filho é mais que ela, é a prolongação dela para outras gerações, o pedaço que vai ficar quando ela partirá.

E o amor extremo sabe que um filho é um presente que se oferece à vida, não a si mesmo, pois ser mãe é ter o dom da abnegação.

É assim que cometemos os maiores erros, tendo dentro de nós o desejo de sempre acertar. Queremos que a vida seja um ninho, como é nosso seio, doce e terno, acolhedor e quente. Mas ela não é...

A vida diz: "luta, se quiser chegar a algum lugar!"

Ela não dá a mão, deixa caminhos livres, que ora são retos, ora escarpados, ora floridos, ora desertos, ora alegres, ora regados pelas lágrimas da dor e da decepção.

Amar demais e proteger demais nossos filhos é deixá-los despreparados para a vida.

Não existe amar certo e amar errado. O que existe é agir certo e agir errado em nome do amor.

E age certo, quem reconhece ser na vida apenas um viajante e que os caminhos percorridos não terão retorno, que o que se faz é o que se deixa. E nossos filhos são, na ordem natural da natureza e de todas as coisas, o que fica além de nós.

Por isso é importante largar a mão e deixar que aprendam a andar sozinhos, se virar sozinhos, aprendam a ser fortes e independentes... aprendam que a tristeza é um estado da alma, mas a alegria também, que não há vitória sem luta e que, não raro, antes de se chegar a ela é preciso enfrentar algumas derrotas.

Eu sei... ver um filho chorando, faz chorar nosso coração. Vê-los tristes apaga todas as estrelas do nosso céu e vê-los lutando coloca nossa alma em revolução.

Mas deixá-los viver a vida inteiramente é a única maneira de vê-los crescer. Dar responsabilidades é ajudá-los na maturidade.

As pessoas precisam sentir nas próprias veias o gosto da vitória depois da luta, o sentimento do bom orgulho, do contentamento de ter subido e descido e de ter caminhado com os próprios pés.

Amar, como há muito dito, é deixar ao outro a liberdade de ser, mesmo que isso inclua dor e decepção.

Não deixou Maria que seu filho cumprisse sua missão, sabendo, desde o início, que teria no fim uma cruz? Não baixou ela a cabeça e entregou, tendo dilacerado o próprio coração?

Podemos amparar sem servir de estaca, podemos ser o porto que sabem poder ancorar, sem que por isso os impeçam de navegar.

Letícia Thompson

O PROJETO MATAR E O PROJETO TAMAR: O ABORTO

O Projeto Matar e o Projeto Tamar: O Aborto (http://www.oabsp.org.br/main3.asp?pg=3.2&pgv=a&id_noticias=3381&AnoMes=200512)

Cícero Harada

Advogado

Procurador do Estado de São Paulo

Conselheiro da OAB-SP

Presidente da Comissão de Defesa da República e da Democracia-OAB/SP

Desde 1980, o Projeto Tamar protege a vida das tartarugas marinhas. É um esforço louvável em prol da vida. Nas áreas de desova, são monitorados 1.100 km de praias todas as noites durante os meses de setembro a março, no litoral, e de janeiro a junho, nas ilhas oceânicas, por pescadores contratados pelo TAMAR. São chamados tartarugueiros, estagiários e executores de bases. São feitas a marcação e a biometria das fêmeas, a contagem de ninhos e ovos. A cada temporada, são protegidos cerca de catorze mil ninhos e 650.000 filhotes.

Se alguém destruir algum desses ninhos ou apenas um único ovo de tartaruga, sim, unzinho só, comete crime contra a fauna, espécie de crime contra o meio ambiente (Lei nº 9.605/93).

Já, na Câmara dos Deputados, tramita o importante Projeto de lei nº 1.135/91 que pretende legalizar o aborto do nascituro, em qualquer fase, até o nascimento. Sim, até o nascimento, porque apesar de o substitutivo falar em direito ao aborto até a 12ª semana, o seu último artigo revoga os artigos 124, 126, 127 e 128 do Código Penal, ou seja, é um verdadeiro Projeto Matar. A decretação da morte sem culpa do ser humano em um momento de maior fragilidade, sem que se lhe dê o direito à defesa, é um dos maiores absurdos que esta “civilização” pode perpetrar.

Digo absurdo, mas poderia dizer burrice cavalar, má-fé assassina, egoísmo desenfreado, hedonismo perverso, eugenia imperial e vai por aí.

Não será preciso estudar embriologia para saber que, desde 1827, graças a Karl Ernest von Baer, ficou assentado que, a partir da concepção, existe uma nova vida. Uma criança em sua simplicidade e pureza encanta-se com as novas vidas que estão nos ovos das tartarugas tão protegidos nos ninhos pelo Projeto Tamar, encanta-se ao saber que em breve virá à luz seu irmãozinho ou irmãzinha, ainda no ventre materno.

Mas não importa a ciência, não importa o direito, não importa o encanto de uma nova vida. Importa a frustração, o medo do sofrimento, em geral, futuro, os traumas, a perfeição eugenista, a liberdade de matar o próprio filho ainda no ventre.

Quando uma “civilização”, em nome da liberdade e do puro positivismo jurídico, sobrepõe a liberdade ao direito à vida, tem início um perigoso processo. A esse filme nós já assistimos no século XX. A maioria decidindo quando, como e em que circunstância uma minoria pode morrer. É a liberdade para o holocausto. Se o seu país não quiser, não o faça, mas não impeça que outros o façam. Em Nuremberg, todos se defenderam escudados no direito positivo. É por isso que o Papa João Paulo II sentenciou, em seu último livro, que o direito à vida é um limite da democracia.

O Projeto nº 1.135/91, que legaliza o aborto, é inconstitucional, pois, atropela o princípio da inviolabilidade da vida, prescrito pelo artigo 5º da Constituição Federal, ao legalizar o assassinato de crianças no ventre da mãe. É, reitero, um verdadeiro Projeto Matar. Mas, dirão os defensores do aborto: a ciência não sabe quando começa a vida. Respondo: é imprescindível comunicar o Projeto Tamar desse fato, assim, não será preciso gastar tanto dinheiro do contribuinte à toa, defendendo ovos de tartaruga. Será necessário descriminalizar o aborto de ovos de tartaruga. Será que alguém terá, ainda, a coragem de me objetar que, no caso das tartarugas, é diferente porque elas não têm liberdade de escolha? Então, viva a liberdade!

Nós não somos tartarugas (http://www.oabsp.org.br/main3.asp?pg=3.2&pgv=a&id_noticias=3398&AnoMes=20061

EM HOMENAGEM AO CARLOS,O TABAJARA, QUE TANTO HOMENAGEIA AS MENINAS.....

ADA,é a primeira mulher a levar o NOBEL DA QUÍMICA desde 1964...

Defesa contra bactérias

O NOBEL DE QUÍMICA saiu para três cientistas americanos que estudam os ribossomos - estruturas produtoras de proteína dentro das células -,trabalho que ajuda no desenvolvimento de novos antibióticos.O prêmio de des milhões de coroas suecas (cerca de R$ 2,5 milhões) será dividido igualmente pelos norte-americanos Venkatraman Ramakrishnan ( nascido na Índia e que trabalha em Cambridge,Reino Unido) e Thomaz Steitz(da Universidade de Yale,nos Estados Unidos) e para A ISRAELENSE ADA YONATH(do instituto de Ciência Weizmann) . O trio explicou,usando modelos 3D,como os ribossomos funcionam em nível atômico e detalharam como os antibióticos bloqueiam essas estruturas das bactérias,desativando-as.Com isso tornou-se possível entender como as bactérias criam resistências a determinados remédios.ADA É A PRIMEIRA MULHER, DESDE 1964, A LEVAR O NOBEL DE QUÍMICA.

As informações são dos portais UOL G1 e do site de ÉPOCA.

ORGASMO,SAÚDE SEXUAL E ATITUDES SOBRE A GENITAL FEMININA

Debby Herbenick é diretora do Centro de Saúde da Universidade de Indiana-usa Um estudo da Universidade de Indiana,nos Esatados Unidos,descobriu que mulheres que se sentem confortáveis com a sua intimidade tem mais facilidade para ter orgasmos e tem comportamentos mais saudáveis,como ir regularmente ao ginecologista e se auto-examinar.A pesquisa foi realizada com 362 mulheres com idades entre 18 e 23 anos. De acordo com Debyy Herbenick,diretora do Centro de Saúde Sexual da Universidade,a pesquisa traz descobertas sobre a importância da auto-imagem para a saúde sexual feminina."Nossa cultura costuma retratar os genitais femininos como algo que precisa de limpeza e cuidados especiais",diz a especialista."Algumas mulheres tiveram mais exposição a essas mensagens negativas e podem sofrer mais com o impacto disso",completa Herbenick. O estudo criou uma escala para medir a atitude de homens e mulheres sobre a genitália feminina.De acordo com Herbenick,esta escala pode ser utilizada em terapia sexual para casais,na educação sexual e até em consultas ginecológicas.O estudo também mostrou que homens tem uma atitude mais positiva em relação a isso do que mulheres."As mulheres são muito críticas em relação ao seu próprio corpo e o de outras mulheres,muito mais que os homens",diz a pesquisadora. Herbenick também chama a atenção para a educação sexual em casa:de acordo com ela,os pais devem fazer com que as filhas se sintam mais à vontade com a natureza do seu corpo,chamando as partes íntimas pelos nomes apropriados e permitindo a exploração do próprio corpo,explicando que isso apenas não deve ser feito em público,por exemplo.Outro exercício saudável,de acordo com a pesquisadora,seria a discussão sobre como propagandas e o marketing fazem que as garotas se sintam sobre o próprio corpo. "Nosso estudo mostra mais uma vez que a mente e o corpo são fortemente ligados em questões sexuais",conclui Herbenick.[science Daily]

EU ENVELHECI

(Autoria desconhecida) Se você conhece a autoria deste texto, agradeço ... Um dia desses uma jovem me perguntou como eu me sentia sobre ser velha. Levei um susto, porque eu não me vejo como uma velha. Ao notar minha reação, a garota ficou embaraçada, mas eu expliquei que era uma pergunta interessante, que pensaria a respeito e depois voltaria a falar com ela. Pensei e concluí: a velhice é um presente. Eu sou agora, provavelmente pela primeira vez na vida, a pessoa que sempre quis ser. Oh, não meu corpo! Fico incrédula muitas vezes ao me examinar, ver as rugas, a flacidez da pele, os pneus rodeando o meu abdome, através das grossas lentes dos meus óculos, o traseiro rotundo e os seios já caídos. E constantemente examino essa pessoa velha que vive em meu espelho (e que se parece demais com minha mãe), mas não sofro muito com isso. Não trocaria meus amigos surpreendentes, minha vida maravilhosa, e o carinho de minha família por menos cabelo branco , uma barriga mais lisa ou um bumbum mais durinho. Enquanto fui envelhecendo, tornei-me mais condescendente comigo mesma, menos crítica das minhas atitudes. Tornei-me amiga de mim mesma. Não fico me censurando se quero comer um bolinho-de-chuva a mais, ou se tenho preguiça de arrumar minha cama, ou se compro um anãozinho de cimento que não necessito, mas que ficou tão lindo no meu jardim. Conquistei o direito de matar minhas vontades, de ser bagunceira, de ser extravagante Vi muitos amigos queridos deixarem este mundo cedo demais, antes de compreenderem a grande liberdade que vem com o envelhecimento. Quem vai me censurar se resolvo ficar lendo ou jogar paciência no computador até às 4 da manhã e depois só acordar ao meio-dia? Dançarei ao som daqueles sucessos maravilhosos das décadas de 50, 60, 70 e se, de repente, chorar lembrando de alguma paixão daquela época, posso chorar mesmo! Andarei pela praia em um maiô excessivamente esticado sobre um corpo decadente, e mergulharei nas ondas e darei pulinhos se quiser, apesar dos olhares penalizados dos outros. Eles, também, se conseguirem, envelhecerão. Sei que ando esquecendo muita coisa, o que é bom para se poder perdoar. Mas, pensando bem, há muitos fatos na vida que merecem ser esquecidos. E das coisas importantes, eu me recordo freqüentemente. Certo, ao longo dos anos meu coração sofreu muito. Como não sofrer se você perde um grande amor, ou quando uma criança sofre, ou quando um animal de estimação é atropelado por um carro? Mas corações partidos são os que nos dão a força, a compreensão e nos ensinam a compaixão. Um coração que nunca sofreu é imaculado e estéril e nunca conhecerá a alegria de ser forte, apesar de imperfeito. Sou abençoada por ter vivido o suficiente para ver meu cabelo embranquecer e ainda querer tingi-los a meu bel prazer, e por ter os risos da juventude e da maturidade gravados para sempre em sulcos profundos em meu rosto. Muitos nunca riram, muitos morreram antes que seus cabelos pudessem ficar prateados. Conforme envelhecemos, fica mais fácil ser positivo. E ligar menos para o que os outros pensam. Eu não me questiono mais. Conquistei o direito de estar errada e não ter que dar explicações . Assim, respondendo à pergunta daquela jovem graciosa, posso afirmar: "Eu gosto de ser velha". Libertei-me! Gosto da pessoa que me tornei. Não vou viver para sempre, mas enquanto estiver por aqui, não desperdiçarei meu tempo lamentando o que poderia ter sido, ou me preocupando com o que virá. E comerei sobremesa todos os dias e repetirei, se assim me aprouver... E penso que nunca me sentirei só. Sou receptiva e carinhosa, e se amizades antigas teimam em partir antes de mim, outras novas, assim como você, vêm a mim buscar o que terei sempre para dar enquanto viver: experiência e muito amor...

AZUL

AZUL

PERNAMBUCO

PERNAMBUCO
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

QUER PERSONALIZAR SEU BLOG?CLIQUE NO SELO E FALE A MERI!!!!