Seguidores

PEGANDO CARONA NO POST DA LAU - A DOENÇA DA MENTIRA

SOLANGE CELERE

O pai era maquinista, mas J.O. fazia questão de repetir a história que ouvira desde cedo, da mãe: para todo mundo, era engenheiro da rede ferroviária.

O sogro era diretor de uma empresa de grande porte, mas para os amigos, colocava-o como o dono.

Formou-se em História pela faculdade privada Osvaldo Cruz, mas não economizava detalhes para convencer a todos, inclusive a mulher, que era graduado pela USP, mestre e doutor. Diretor por muitos anos do Palmeiras, procurava ter o confortável padrão de vida das pessoas que o cercavam.

A história de mentiras e fabulações de J.O. terminou há três anos. Atolado em dívidas, morreu dependente do álcool a 10 dias da data em que completaria o 54° aniversário: por ironia, um 1° de abril.

A mitomania – compulsão mórbida pela mentira – está longe de figurar apenas no universo infantil, nas lorotas de pescador ou em clássicos contos como o de Pinóquio. A necessidade descontrolada em freqüentemente fazer uso dela é estudada por segmentos da psiquiatria como um transtorno específico de personalidade que merece atenção e cuidados.

No caso de J.O., quem relata sua destreza em inventar fatos e a acreditar neles é a cunhada. M.A.P. é relações públicas e ex-professora universitária da PUC-Campinas. Irmã de S., que foi casada com J.O. por 25 anos. “O caso dele é curioso, pois sua mãe tinha o mesmo perfil e, agora, o filho de 30 anos também reproduz traços da personalidade do pai e exagera até em assuntos banais. Toda a minha família sofreu com a situação”, conta. Hilda Morana, médica perita do Instituto de Medicina e de Criminologia do Estado de São Paulo (Imesc) há 17 anos, traduz a mitomania como propensão a contar histórias e mentiras fantásticas, frutos da imaginação, com a consciência de que o relato é falso. “Em geral, essa manifestação deve-se à profunda necessidade de apreço ou atenção. A mitomania é um sintoma que está a meio caminho entre o delírio e a imaginação patológica”.

Mas há diferenças entre o mitômano, o fabulador e um mentiroso circunstancial. “É preciso compreender a personalidade psicopata antes de tudo, pois a mitomania é uma ferramenta dela. O mitômano usa a mentira de forma consciente para ludibriar pessoas, tirar vantagens. A amoralidade e a insensibilidade são suas marcas registradas. A mentira vira um estilo de vida. Vemos isso com bastante freqüência na política, na figura de líderes mundiais, alpinistas populistas”, ilustra o psiquiatra Albert Zeitone.

O fabulador, segundo Luis Falivene, estudioso da mente há 35 anos,usa a mentira para autopromoção, como forma de valorizar-se. É o sujeito que diz que tem uma Mercedes na garagem e anda de carro popular. “Já o mentiroso episódico é aquele que mente que está se separando da esposa só para seduzir uma moça. Espontaneamente ou ao ser descoberto, admite a verdade”, compara.

O mitômano não admite a mentira nunca. Também não se abala ao tê-la descoberta. Ao contrário, quando demonstra abalar-se não passa de mera interpretação para enganar ainda mais as pessoas.

A estudante de Gastronomia M.A.C, de 25 anos, tem uma amiga de infância que mente em todas as circunstâncias. “Ela conta histórias elaboradas para conseguir que a loja troque uma roupa que já usou ou para aplicar pequenos golpes na mãe e no irmão. Mente até sobre a cor da tinta de cabelo que usa”, admira-se a moça, que já se afastou da colega várias vezes por conta de seu comportamento.

O advogado V.L.F. separou-se da mulher após pouco mais de um ano de casamento ao constatar que tanto a esposa quanto os sogros esforçavam-se para viver de fantasias. “Ela sustentava mentiras mesmo diante de documentos que comprovavam a verdade. Não é possível manter um relacionamento cujas bases sejam falsas”, conclui.

Jornalista apaixonado pelo futebol, o falecido João Saldanha, gaúcho de temperamento difícil, não perdia a chance de contar as aventuras que dizia ter vivido. Seja ter assistido a todas as Copas do Mundo, seja cobrir a guerra da Coréia, o desembarque das tropas aliadas na Normandia, durante a Segunda Guerra, ou a Grande Marcha de Mao Tse-Tung.

O repórter Jayson Blair, de 27 anos, enganou leitores e colegas do The New York Times com textos e entrevistas falsos. Inventou situações, copiou notícias de jornais concorrentes e sobreviveu com esta postura por quatro anos, até ser descoberto e se demitir no ano passado. Desmoralizou o jornal e a si próprio.

A Internet virou uma das principais armas da modernidade nas mãos de mitômanos ou simples aventureiros da mentira. É possível mentir sem ser descoberto, plagiar e até aplicar pequenos e grandes golpes. O anonimato e a possibilidade de alterar a realidade favorecem o mentiroso, seja o vovô que se passa por garotão com ajuda de uma fotomontagem ou o espertinho que consegue marcar encontros e arrancar dinheiro e viagens de suas vítimas. São os mentirosos cibernéticos.

Especialistas apontam que há sociedades em que a mentira é mais tolerada ou até incentivada em alguns casos. Em algumas culturas árabes o exagero da verdade é absolutamente aceitável para o bem dos negócios

Há as mentiras do cotidiano das quais ninguém está livre de contar ou de ouvir. Um estudo científico norte-americano, desenvolvido pelo psicólogo Gerald Jellison, da Universidade do Sul da Califórnia, assegura que acessamos cerca de 200 mentiras por dia, seja ouvindo, lendo ou assistindo. Exclua-se aí o período eleitoral, quando, segundo ele, a quantidade é duplicada. Jellison vai mais longe. Em geral, todos contamos entre uma e duas dúzias de mentiras diariamente, desde aquele comentário sobre o novo visual da colega de trabalho até a desculpa para não comparecer a um jantar de amigos. “São mentiras aceitáveis para a convivência, funcionam como apaziguadores sociais”, avalia Luis Falivene.

Já se estuda a influência genética sobre os mitômanos e outros distúrbios de personalidade. O que se sabe, seguramente, é que há fatores do ambiente familiar responsáveis por este tipo de conduta. Alguns psicanalistas acreditam que a resposta para o que leva pessoas a mentirem de maneira patológica pode estar em traumas da infância. É o caso de Mário Quilici, pesquisador do desenvolvimento infantil e de como os distúrbios do vínculo entre a criança e seus pais podem levar ao surgimento de patologias na medida em que impedem o adequado desenvolvimento emocional. Outros falam em simples desvio de caráter.

Tratar o mentiroso é uma coisa difícil por diversas razões. A primeira delas é que raramente eles procuram ajuda, a não ser quando vão perder o cônjuge, o emprego ou algo importante. A segunda é que mentem justamente porque não querem se deparar com a própria insuficiência. Optam pela comodidade de viver sonhos, ainda que isso signifique a própria destruição ou a daqueles que estão em sua volta.

Publicado em 27 de agosto de 2004

19 comentários:

  1. Amiga Zilda (Dida)
    As pessoas que mentem desnecessáriamente, como doentes, vivem longe da realidade, fogem dela, você não acha?
    Como disse à Lau, não me dou bem com a mentira, mas já me vi em situações difícieis em que a mentira era necessária para evitar um grande sofrimento a uma pessoa amada.Há pessoas que temem a verdade, o diagnóstico de uma doença fatal, por exemplo...
    Um abraço e ótimo fim de semana!

    ResponderExcluir
  2. É minha amiga como disse o Dalton: " a mentira tem perna curta". Ela começa pequena e vira uma bola de neve.

    ResponderExcluir
  3. Zilda, é terrível conviver com pessoas mentirosas, o mentiroso mente de tal forma, que ele acredita ser verdade tudo que fala...

    "A mentira é uma verdade que se esqueceu de acontecer." (Mario Quintana).

    Um grande abraço!!

    ResponderExcluir
  4. São as que não se configuram como doença!Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Olá, uma visita amiga é um prazer receber. A foto do meu post é do Mamorial de Câmara Cascudo folclorista e figura ímpar da nosa terra com livros publicados. Foi realizada na 2° caminhada histórica realizada em Natal pelo centro da cidade com guias informando sôbre o nosso patrimônio histórico. Dia de chuva e todos com sombrinha por incrivel que possa ser, é verdade. Sôbre mentiras, as de amor já vivi e conheço até as técnicas sempre fujo com medo das armadilhas. Abraços.

    ResponderExcluir
  6. Ôi Zilda!
    Excelente post!
    Quantas pessoas não se encontram em situações como essas?
    Olha eu prefiro a verdade mesmo que atinga alguém...!
    mas ela cabe em qualquer lugar.
    m as isso é o mun do moderno e ai aparessem mentiroso de todos os lados e alguns aproveitam o pretexto de ser uma doença!

    beijão Zilda!

    ResponderExcluir
  7. Se cada dia cai, dentro de cada noite,
    há um poço
    onde a claridade está presa.
    há que sentar-se na beira
    do poço da sombra
    e pescar luz caída
    com paciência.

    Pablo Neruda

    Desejo um belo domingo e uma linda semana.
    Abraços

    ResponderExcluir
  8. Olá,Zilda!!! Tudo bem?
    Bom saber que o Renascendo te deu carona.rsrs Zilda, a mitomania é hereditária. Acredite. Quando eu lecionava, tive um aluno que "matou a avó" 3 vezes para justificar sua falta a um teste.Conversando com a mãe do aluno soube que ele era exatamente igual ao pai. Segundo ela, o marido mentia "por prazer".Vá entender... Muito boa a citação sobre a Internet. Nesse ambiente compra-se "gato por lebres" ou lebres por "vampiros do mal e dragões mentirosos".rs
    Evidente, que não se pode generalizar...

    Um beijo.

    E.T. Estive aqui (não é mentira rs) e não consegui postar o comentário. Pessoas amigas me disseram que o mesmo acontece no meu blog.Coisas da tecnologia...

    ResponderExcluir
  9. Obrigadão Luisa,pela informação e pela visita.Bjs.

    ResponderExcluir
  10. Obrigada Lau,sei que "senadora" não mente...Grande beijo e obrigada.

    ResponderExcluir
  11. Obrigada Eduardo.Valeu a presença.Abraços.

    ResponderExcluir
  12. Também Mariano!!Mentira não serve...Bjs.

    ResponderExcluir
  13. Zilda
    Bem elaborado texto. E mais, não podemos fazer nada quando alguém deseja prosseguir por esse caminho. O caminho do auto-engano.
    Beijos, saudades

    ResponderExcluir
  14. Valeu Salete!Obrigada pela presença.

    ResponderExcluir
  15. Olá!
    Eu sou a Solange Celere, autora da matéria sobre mitomania.
    Escrevo para agradecer a divulgação deste tema tão importante e que até hoje me rendem contatos de mães preocupadas com seus filhos, espos@s com seus cônjuges e por aí vai...
    Agradeço também a citação da fonte/autor - realmente algo muito raro neste universo da net.
    Abraço e parabéns pelas inciativas do blog!
    Solange Celere/Campinas/SP
    solangecelere@terra.com.br

    ResponderExcluir
  16. Obrigada Solange por sua presença em meu blog.Não faço mais do que minha obrigação citando o texto.Volte sempre.

    ResponderExcluir

OBRIGADA POR SEU COMENTÁRIO,SE ACHAR QUE VALE A PENA COMPARTILHE EM SUAS REDES SOCIAIS.
GRANDE BEIJO!!!

AZUL

AZUL

PERNAMBUCO

PERNAMBUCO
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

QUER PERSONALIZAR SEU BLOG?CLIQUE NO SELO E FALE A MERI!!!!