Seguidores

"Nós fazemos um trabalho tão pobre de educar as crianças sobre sexo..."

O pediatra E.U. Retrato Media Decry de Sexo
Eles pedem uma programação mais responsável, e perguntar aos médicos e pais a desempenhar um papel mais envolvidos
Ao repórter Amanda GardnerHealthDay



Terca-feira 31 agosto (HealthDay News) - grupo que lidera a nação de pediatras emitiu uma declaração política forte voltada para o pediatra, os pais e os meios de comunicação sobre o perigo das mensagens de adolescentes norte-americanos e as crianças estão recebendo sobre sexo através da televisão, da Internet e outros meios de comunicação.
A afirmação, sexualidade, contracepção, e os Media, foi publicado online agosto 30 e na edição impressa de setembro da revista Pediatrics.
"A mídia representa indiscutivelmente o principal educador do sexo na América de hoje", disse o Dr. Victor Strasburger, o principal autor do trabalho. "Nós fazemos um trabalho tão pobre de educar as crianças sobre sexo nas aulas de educação sexual em meio escolar, e os pais são notoriamente tímido em falar aos miúdos sobre o sexo. A mídia pega a folga".
Setenta por cento dos shows teen conter conteúdo sexual, Strasburger acrescentou, "e menos de 10 por cento desse conteúdo implica que alguém iria classificar como sendo conteúdo responsável. Não há nenhuma menção de contrair uma [DST sexualmente transmissíveis], doença ou a necessidade de esperar para ter sexo até mais tarde. "
Os Estados Unidos lideram o mundo ocidental nas taxas de gravidez na adolescência e os adolescentes americanos têm uma taxa alarmante de doenças sexualmente transmissíveis - uma em cada quatro crianças.
Entretanto, as crianças E.U. gastar sete horas e mais um dia com vários tipos de mídia, muitas vezes, sexualmente explícito, incluindo música, filmes, programas de televisão, revistas e Internet.
"A pesquisa nos mostra que o papel do sexo na mídia é muito realista. É insalubre. Ele não considera as conseqüências do comportamento sexual", disse Alan Delamater, professor e diretor de psicologia infantil na Universidade de Miami Miller School of Medicina. "Isto é o que nossos filhos estão crescendo pensar. Isto é o que o sexo está em causa. Para negar o seu impacto é ignorante porque não há muito conhecimento dela neste momento."
Muitos pediatras gostaria de inverter a equação e veja os meios de comunicação apresentar uma programação mais responsável.
"A mídia tem a oportunidade de continuar fazendo a mesma coisa, o que é ter um efeito adverso sobre o desenvolvimento da criança, ou dar a volta e moldar atitudes e comportamentos que possam ter um efeito positivo no desenvolvimento da criança", disse Delamater.
A declaração contém uma série de recomendações para os pais, os médicos e os media.
"Queremos que os médicos de fazer duas perguntas de mídia em cada visita bem-criança: quanto tempo de tela de entretenimento por dia faz a criança participar, e existe um aparelho de TV ou conexão com a Internet no seu quarto", disse Strasburger, professor de pediatria na Universidade de New Mexico School of Medicine. "Isso demora 20 segundos e pode ser mais importante do que perguntar sobre childproofing ou assentos de carro ou capacetes."
Os autores da declaração idealmente gostariam de anúncios de remédios para disfunção erétil não ser mostrado na TV após dez horas
"Metade de um bilhão de dólares em anúncios de remédios para disfunção erétil e praticamente sem anúncios de pílulas anticoncepcionais ou preservativos ou a contracepção de emergência", disse Strasburger. "Não há uma única prova de que as crianças expondo a anúncios de controle de natalidade ou mesmo fazendo controle de natalidade de que dispõem os torna sexualmente activa numa idade mais jovem. Nós estamos fazendo coisas completamente para trás."
Também deve haver mais atenção à forma como as crianças usam sites de redes sociais na Internet. E os pais podem usar linhas de media história como ferramentas de ensino para discutir sexo com seus filhos, em vez de ter "a conversa grande", disse o comunicado.
No lado mais idealista, a declaração também recomenda que os publicitários usam o sexo já não deve vender uma vasta gama de produtos.
"Queremos que os pais percebem que as crianças estão passando mais tempo com a mídia do que em qualquer outra actividade, mas dormindo, e que a mídia representa uma poderosa fonte de informação e neste caso, um educador do sexo forte", disse Strasburger.

Mais informações
Para saber mais sobre as crianças e os meios de comunicação, visite a Academia Americana de Pediatria.
FONTES: Victor C. Strasburger, MD, professor de pediatria da Universidade de New Mexico School of Medicine, Albuquerque; Alan Delamater, Ph.D., professor e diretor, psicologia infantil, da Universidade de Miami Miller School of Medicine, 30 de agosto, 2010, pediatria, online
Copyright @ 2010 HealthDay. 

11 comentários:

  1. Un placer siempre pasar por tu blog..


    Un abrazo
    Saludos fraternos....

    ResponderExcluir
  2. Obrigada pela visita Adolfo;volte sempre.

    ResponderExcluir
  3. Zilda, esses dias aqui na escola onde trabalho, houve uma problemática, os alunos do 5º ano tiveram aula com vídeo sobre Orientação Sexual, de uma forma científica, com vídeo muito bom, passava de uma forma bem light.
    Qual não foi a nossa surpresa, as mães se manifestaram contra e foram questionar com a professora.
    Não dá pra entender, será que essas mães querem que seus filhos descubram de uma forma deturparda?
    Será que elas pensam que crianças com + ou - 10 anos são totalmente inocentes e que nunca ouviram nada a respeito?
    Sinceramente, os educadores ficam sem saber o que fazer.
    Um grande abraço!!!

    ResponderExcluir
  4. Zilda, e eles não têm nem 50% do apelo sexual que as nossas propagandas exibem/trazem, não é? Vou pedir à minha filha que leia seu post.
    E mais, a grande maioria das crianças americanas tem em seu quarto um aparelho de Tv. A minha gringuinha não tem porque a mãe é totalmente contra. Só a partir de uma idade mais madura. Se a TV já é motivo para dissociação da família (mulher querendo ver novela em um quarto, homem querendo assistir jogo em outro), imagine uma pobre criança de 5,6 anos, isolada em seu quarto.

    Muito interessante a postagem e teríamos muitos pontos a discutir ainda, não é Zilda? Mas o dever me chama.[rs] Adoro seus e-mails , me fazem bem.

    Uma beijoca

    ResponderExcluir
  5. É realmente um grande problema qdo se criam estas barreiras para educar e abrem geral para deseducação,estimulando a libido bem antes da hora.Saúde e paz,Dora.

    ResponderExcluir
  6. Muito acertado Lau!Aqui se extrapola em incentivo e apelo sexual e muitos pais acham lindo a falta de limites,Bjs no coração.Obrigada pelo carinho.

    ResponderExcluir
  7. Oi Zilda.........
    Eu vim convidar para assistir meu novo vídeo, no Blog SENTIMENTOS. Depois de muito tempo sem postar nada, agora com um poema da amiga Estela, sobre a obra de Mário Quintana.

    Beijoooooooo

    Jacque

    ResponderExcluir
  8. Oi Zilda
    Importante matéria para ser colocada em pauta.
    Não é por nada que a mídia que era compreendida como quarto poder, passou, com um olhar mais críto a ser o PRIMEIRO PODER.
    Como dia nossa amiga Lau, pais responsáveis controlam o que os filhos tem acesso, mas qual o percentual de pais responsáveis temos na atualidade, com essa exigência de trabalhar tantas horas por dia?
    A educação é responsabilidade dos pais antes de ser da escola, e temos aí um imenso espaço em casa ou outro lugar para que crianças e adolescentes recebam informações, ou até são estimuladas precocemente a interessar-se pela questão do sexo apenas porque são chamadas a isso não pelo que estão em fase de questionar e sim por uma imposição irresponsável e perversa do adulto.
    Esse tema pode ser debatatido inncasavelmente e aborda vários aspectos da sociedade contemporânea.
    Beijos e bom final de semana.

    ResponderExcluir
  9. Valeu Jacque! Irei lá assim que retornar ...Bjssssss

    ResponderExcluir
  10. Obrigada Salete pela visita e sensato comentário....

    ResponderExcluir
  11. Bom-dia, caríssima Zilda Santiago...

    Muito oportuna esta mensagem...
    Realmente a coisa esta muito escancarada! Em programas de TV só mostra que fulano de tal colocou tantos litros de silicone nos seios, bumbum, etc... e pessoas falando de sua primeira vez, etc... e nada de importante é dito, não há mesmo uma boa orientação sexual, tanto nas escolas, como na TV, e jornais e revistas sempre mostram mulheres ou homens seminus... o sexo banalizou.
    Dificilmente se assisti a um bom programa de entrevista com um médico expondo problemas e cuidados com a sexualidade.
    Falo isso, porque fiquei meio de repouso por causa de uma cirurgia de hérnia, e então percebi que não há nada de bom para ver na TV... dava até raiva ficar deitado ou quieto o dia inteiro e nada de bom para se ver.
    Quando não algum aproveitador falando o dia inteiro de Deus sem nenhuma bagagem e pedindo dízimo, ou programas de fofoca, de fulano separou-se de cicrano, etc... esta com namorado novo,etc... Nada de mostrar um rumo, um caminho, de mostrar valores...
    Dos poucos programas sérios, destaco o TRANSIÇÃO, que você mesmo me indicou... pena que o programa tem pouca duração... coisa boa não é muito divulgada nem tem muito espaço na mídia, infelizmente.
    Um grande abraço.
    Lucas Durand
    www.recantodasletras.uol.com.br
    Obras e pseudônimos:
    Faroeste - POR UM BEIJO, APENAS, ALLAN FOSTER
    http://www.protexto.com.br/colecao.php?cod_colecao=12

    Brevemente pelo site da Editora Virtual Books, www.virtualbookstore.com.br Faroeste: O RETORNO DE HUSTIN, J.G.Hunter.

    ResponderExcluir

OBRIGADA POR SEU COMENTÁRIO,SE ACHAR QUE VALE A PENA COMPARTILHE EM SUAS REDES SOCIAIS.
GRANDE BEIJO!!!

AZUL

AZUL

PERNAMBUCO

PERNAMBUCO
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

QUER PERSONALIZAR SEU BLOG?CLIQUE NO SELO E FALE A MERI!!!!